Marco legal das startups entra em vigor

Embora represente um passo importante no campo legislativo, marco legal das startups ainda requer alterações na estrutura tributária do setor.

DESTAQUE

Marco legal das startups entra em vigor


Embora represente um passo importante no campo legislativo, marco legal das startups ainda requer alterações na estrutura tributária do setor


É fato que a legislação não dá conta de acompanhar os avanços tecnológicos, mas a publicação da Lei Complementar nº 182, de 1º de junho de 2021, definida como o marco legal das startups e do empreendedorismo inovador, chega para amenizar a carência de normas para esse tipo de negócio.

Embora seja um passo importante no campo legislativo, que pela primeira vez cria regras para atuação das startups, o marco legal não promove alterações profundas na estrutura tributária do setor, adiando medidas de maior impacto esperadas por atores desse segmento.

A seguir, veja alguns pontos de destaque trazidos pela nova lei:


Definição de startups


São enquadradas como startups as organizações empresariais ou societárias, nascentes ou em operação recente, cuja atuação caracteriza-se pela inovação aplicada a modelo de negócios ou a produtos ou serviços ofertados.

São elegíveis para o enquadramento na modalidade de tratamento especial destinada ao fomento de startup o empresário individual, a empresa individual de responsabilidade limitada, as sociedades empresárias, as sociedades cooperativas e as sociedades simples:

    • Com receita bruta de até R$ 16 milhões no ano-calendário anterior ou de R$ 1.333.334,00 multiplicado pelo número de meses de atividade no ano-calendário anterior, quando inferior a 12 meses, independentemente da forma societária adotada;

    • Com até 10 anos de inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil do Ministério da Economia; e que atendam a um dos seguintes requisitos, no mínimo:

    a) declaração em seu ato constitutivo ou alterador e utilização de modelos de negócios inovadores para a geração de produtos ou serviços, nos termos do inciso IV do caput do art. 2º da Lei nº 10.973/2004; ou

    b) enquadramento no regime especial Inova Simples, nos termos do art. 65-A da Lei Complementar nº 123/2006.


Investimento em inovação


As startups poderão admitir aporte de capital por pessoa física ou jurídica, que poderá resultar ou não em participação no capital social da startup, a depender da modalidade de investimento escolhida pelas partes.

O investidor (*) que realizar o aporte de capital sem ingressar no capital social não será considerado sócio ou acionista nem possuirá direito a gerência ou a voto na administração da empresa. Ele também não responderá por qualquer dívida da empresa, inclusive em recuperação judicial, mas será remunerado por seus aportes.

(*) definição de investidor-anjo para fins da LC 182/21.


Fomento à pesquisa, ao desenvolvimento e à inovação

As startups podem receber recursos de empresas que possuem obrigações de investimento em pesquisa, desenvolvimento e inovação.


Sandbox regulatório


Uma das novidades é a criação do ambiente regulatório experimental (sandbox regulatório), que possibilita que a empresa desenvolva e teste produtos e serviços experimentais com menos burocracia e mais flexibilidade.


Licitação


A administração pública poderá contratar pessoas físicas ou jurídicas, isoladamente ou em consórcio, para o teste de soluções inovadoras por elas desenvolvidas ou a ser desenvolvidas, com ou sem risco tecnológico, por meio de licitação na modalidade especial regida pela Lei Complementar.




Quando a nova lei entra em vigor


O marco legal das startups entra em vigor 90 dias após a data de sua publicação, ocorrida em 02/06/2021. Ou seja, no dia 31/08/2021, as novas regras começam a valer.

De maneira geral, a lei dá mais segurança jurídica para atuação nesse mercado, mas esse meio que evolui em ritmo tão acelerado continua exigindo aprimoramentos e endereçamento de outras medidas legislativas, que se fazem necessárias e complementares para sua adequada operacionalização.


Especialistas em tributação no cenário brasileiro


O time de especialistas da Domingues e Pinho Contadores possui expertise no setor tecnológico e está pronto para assessorar negócios em seus desafios tributários, oferecendo suporte operacional e consultivo diante do complexo cenário brasileiro.

Como a DPC pode ajudar sua empresa?

A Domingues e Pinho Contadores possui equipe especializada pronta para assessorar sua empresa.
Entre em contato através do e-mail dpc@dpc.com.br.

Assine nossa newsletter:

Se interessou?

Entre em contato conosco para que possamos entender seu caso e oferecer a melhor solução para você e sua empresa.

Fale com um especialista